quarta-feira, 17 de abril de 2013

... durar uma noite ...








E de repente assim,
Me vejo a sonhar,
Com o impossível,
O indizível,
O invisível….
A esperançar com o que morreu,
A me maltratar,
A me sufocar,
A me matar…
A me ver te vendo aqui,
Aquele olhar,
Aquele adeus,
Aquele mar,
Eu achei que já tinha o vazio…
Mas não… Acabou, mas ainda me resta
Organizar o tempo que não passou,
Fazer qualquer coisa com o que ficou,
Amar o amor que não se tem,
Que nunca se terá,
Que talvez nem exista,
Mas que insiste em voltar.