terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Avesso de uma coragem



Avesso de uma coragem

O que sei que sinto quando penso em você?
É o avesso de uma coragem:
Eu que penso que me jogo pela vida,
Eu que penso que estou pra tudo nesse mundo
Pra dor e sabor, mas,
Penso que sei de mim pouco mais que você:
Que me não sabe,
Que não me vê,
Que não me pensa,
Que não me sente.
Quem sou eu além do que o que você não quer?
Sou a que teme a realidade das coisas,
A dor dos corações partidos
A que venera os sonhos,
As ilusões completas, os verdadeiros devaneios,
O som dos sinos, as músicas que nunca terminam,
Que se alimenta de amores imperfeitos.
Eu ando no escuro, eu sei…
porque assim posso conseguir ver qualquer lampejo de amor que seja;
Eu abri meu coração sem motivo aparente…
a tentar sentir você através das coisas.

E desde então, sigo procurando o que você está perdendo.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Descomplexo



Já não sei mais…
Ontem é o que espero
Amanhã é tudo que quero
O meu pensamento, longe….
Cada hora que se arrasta
A cada minuto que passa
Ruídos que invento…
Lá de longe
Ouço seus passos
Saudade que eu abraço.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Não caia, menina!


Furacão, Ventania, Trovoada e Tempestade!

Especialmente às minhas irmãs, mas é uma homenagem às minhas amigas também!!



Desejo que estejas bem,
Que faças longas viagens,
Que vejas intermináveis paisagens,
Passos curtos, vida longa…
Desejo que tenhas saúde,
Compaixão,
Outras virtudes,
E por que não, defeitos sanáveis?
Mesmo que tudo se quebre,
que seus cacos nunca te cortem,
Mesmo que haja adeus,
Que seus partos nunca te partam,
Mesmo que não haja amor,
Que você ame sem medida,
E à medida que envelheça, cresça,
Mas nunca seja adulta,
Seja sempre irmã,
Sobretudo amiga.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Tratado particular sobre guarda-chuva


-->
Há alguns (muitos…) anos eu fiz um propósito muito simples: nunca ter guarda-chuva. E isso merece uma explicação, a mim mesma, já que sempre que chove, eu penso, repenso e acabo por renovar os meus votos de fidelidade ao propósito. O caso é que num dia de chuva, não um qualquer, mas um dia em que alguma coisa, que a essa altura perdeu completamente o sentido, eu chorava mais do que chovia e pensei: pra que serve o guarda-chuva? Única e exclusivamente para nos guardar da chuva! E o que é a chuva? E que mal nos faz a chuva? Eu não sou feita de açúcar (descobri porque não tenho qualquer traço de doçura…)!! Eu sou forte! Eu venço batalhas, eu mato um leão por dia (e lido com outros animais menos dignos tb), eu luto, eu corro, eu sou capaz de escolher, de dizer sim, de dizer não!!! Por que eu haveria de ter medo da chuva?? Eu aceito ter guarda-chuva, se em contrapartida for inventado um guarda-aborrecimentos, um guarda-desilusões, um guarda-desamor, um guarda-preconceito entre tantas outras coisas que acontecem sem que eu tenha condições de prever, escolher, ou parar, assim como a chuva, que a mim, fazem muito mais mal do que… água! Que exagero, haverão de pensar… Exagero, exagero… exagero é não reparar que a chuva que cai vem sem pedir, vai sem dar satisfação, a água seca e tudo segue. É assim que a vida, é assim que prefiro.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Sinceridade?



Em algum lugar do Atlântico...



A vida é perigosa quando ela é sincera,
Já que não há refúgios para além da verdade…
A realidade na face de uma tortura implacável,
Chega assim e faz o que quer…
E o amor, nessa hora some,
E prefere não ter nome,
nem endereço, nem destino, nem nada,
Porque assim, pode ir embora, na forma de uma lágrima…

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Quero silêncio


Hoje eu quero silêncio,
Aquele,
Entre uma batida e outra do teu coração,
Entre a sua respiração,
O piscar dos teus olhos,
Que se confunde com aquele silêncio,
Quando a música termina,
Quando o amor pausa,
Quando se ouve a chuva,
Quando se sente o vento,
Aquele silêncio, que é todo barulho do mundo,
Que me inunda a cabeça,
Que me preenche a boca,
Que eu distinguo por sensação,
Que vem até com o pensamento,
Mas vem melhor com você aqui…

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Lado B


Todo mundo tem um lado B(om), todo mundo tem um lado R(uim)...
A mim, e quando digo assim, quero dizer que o que me importa de mim, é o lado A(ltruista), o lado F(eliz), o lado S(util)...
Não quero nem tomar conhecimento que também sou A(cidez), F(lagelo) e S(olidão)...

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Longe do mar

Pensei que sonhava contigo,
Sonhei que vivia...
Acordei com um bater de asas, que não era meu,
nem era você que voltava.
Eram gaivotas
(acho que sonhava)
Não sei se as gaivotas podem viver longe do mar,
devem saber a desculpa que uso ao viver sem poder te amar.

Estréia


É assim que são as coisas,
Uns se empenham em inaugurações de roupas,
Outros na estréia de pessoas,
Enquanto alguém está ali por provar pela primeira vez uma estrada…
Eu que no passo da noite me encontro, também me empenho na vanguarda, e,
Vez por outra me vejo nesta sala de estar.
Sala de estar triste, de estar sozinha, de estar feliz,
De estar o que se é, de estar o que se foi…
E dentre meus destinos,
Destino de vento, de correr por aí,
Destino de rosa, de cheirar e de sentir,
Destino de gente, de sofrer e de sorrir,
Sinto: vem coisa nova aí!